OUÇA 105,9 AO VIVO
 

Notícias

  • Governo de SP amplia horário de funcionamento do comércio até 23h a partir desta sexta-feira - 08/07/2021


    O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (7) que ampliará a permissão de funcionamento do comércio até as 23h a partir desta sexta-feira (9). Atualmente, o limite de horário vai até as 21h. A medida incluiu todos os setores da economia, como bares, restaurares, shoppings e serviços de um modo geral.

    Também foi divulgado o aumento da capacidade de ocupação dos estabelecimentos, que passará de 40% para 60%.

    De acordo com o governador João Doria (PSDB), a medida vale para todo o estado, até para as regiões que ainda estão com mais de 80% de ocupação dos leitos de UTI com pacientes de Covid. Segundo o governador, caberá aos prefeitos adotar medidas mais restritivas, caso necessário.

    Além da ampliação do funcionamento do comércio, o governo também pretende realizar 30 eventos-teste a partir de 17 de julho: festivais, shows, feiras e eventos esportivos.

    Também foi anunciada nesta quarta-feira a retomada das aulas presenciais em universidades e escolas técnicas a partir de 2 de agosto.

     

  • Colina tem 53 pessoas em tratamento da COVID-19 - 08/07/2021


    Segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde, Colina tem 56 pessoas em tratamento da COVID-19, sendo que 41 estão em tratamento domiciliar e 12 internadas (3 na enfermaria, 9 na UTI em Barretos).

    Casos suspeitos são 78 sendo e todos estão em isolamento.

    Desde o começo da pandemia, Colina tem 1701 casos confirmados de COVID-19, com 52 óbitos. Os dados são de terça-feira.

    Os número de novos casos na região da DRS V, sediada em Barretos e da qual Colina faz parte, apresenta queda de 34,3% nos últimos sete dias.

    A taxa de ocupação de leitos de UTI na região está em 80,7%. Essa é a menor taxa desde 3 de março.

     

  • Internações por covid-19 em São Paulo caem ao menor patamar em quatro meses - 06/07/2021


    As internações de pessoas por complicações da covid-19 seguem em queda em São Paulo. O total de pacientes internados caiu abaixo de 20 mil pela primeira vez em quase quatro meses. E a média diária de novas internações completou 21 dias consecutivos de queda, registrando hoje o valor de 2.015, menor taxa desde 3 de março, quando houve 2.006 internações. No entanto, naquele momento, as internações estavam em franco aumento. Hoje não há indicativos de reversão da tendência de queda.

    Os dados mostram que hoje há 19.763 pessoas internadas, sendo 9.556 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e 10.207 em enfermarias. O número de pessoas em UTI registra queda há 23 dias seguidos e é o menor desde 10 de março, quando havia 9.287 pacientes nessa situação. Já o total de internados em enfermaria vem caindo há 21 dias e é o menor desde 4 de março, quando havia 9.991 pessoas nessas condições. Hoje, nenhuma região do estado tem ocupação de UTI acima de 90%, sendo que metade está abaixo de 80%.

    Para o infectologista do Hospital Universitário da USP Gerson Salvador, apesar dos problemas e da lentidão na vacinação contra a covid-19, essa queda nas internações é resultado do avanço da imunização. “A gente tem visto uma discrepância entre o número elevado de novos casos e um número menor de internações e mortes. Isso provavelmente se deve a um efeito protetor das vacinas, sobretudo nas pessoas mais vulneráveis, as pessoas com mais de 60 anos ou com comorbidades que já estão vacinadas”, explicou.

    Para o coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, Paulo Menezes, a queda nas internações é reflexo direto da vacinação da população a partir de 60 anos, que está quase completa. Porém isso não se reflete no número de casos porque esse grupo tem participação menor na transmissão da doença: 15%. Já os grupos etários mais expostos – 30, 40 e 50 anos – ainda não receberam a vacina. Esses respondem por mais da metade dos casos.

    “Isso começa a aparecer de forma clara nos nossos indicadores. Tivemos aumento de 18% no indicador de casos por 100 mil habitantes. O de internações por 100 mil habitantes teve movimento contrário, uma redução de 5%. Nós sabíamos que, até o momento atual, o impacto da vacinação na transmissão seria limitado. Devemos começar a observar o impacto da vacinação dessas faixas etárias (40 a 59 anos) ao longo de julho”, disse Menezes.

    Apesar de ser uma situação melhor do que a registrada nos últimos 120 dias, o total de pacientes internados e a média diária de internações ainda estão em patamares elevados, maiores do que os registrados em todo o ano passado. Os números de novos casos e mortes também seguem elevados, mostrando que a situação ainda não está sob controle.

    Os dados do Boletim Coronavírus do governo paulista mostram que a média diária de novos casos registrados teve uma queda na última semana, mas ainda está acima de 13 mil. E a taxa de novos casos é de 470 por 100 mil habitantes. Os parâmetros internacionais indicam que a partir de 100 casos por 100 mil habitantes a situação é de pandemia descontrolada. A média de mortes diárias também registrou queda na última semana, mas segue acima de 500 óbitos por dia.

     

  • Começa vacinação para pessoas com 37 a 39 anos - 06/07/2021


    A Prefeitura Municipal de Colina, por meio da Secretaria Municipal de Saúde informa que a vacinação contra a COVID-19 está transferida definitivamente para o Ginásio Municipal de Esportes, na Rua Antônio Paulo de Miranda, nº 266.

    A imunização está acontecendo conforme preconiza o Plano Estadual de Imunização, que estabelece as faixas etárias.

    Nesta terça-feira, começa a vacinação das pessoas com 37 a 39 anos. A vacinação acontece das 8h às 20h.

    É necessário levar documentos pessoais (RG e CPF), carteira de vacinação e o cartão SUS. Todos os protocolos sanitários vigentes, como distanciamento físico, uso de máscara e higienização com álcool em gel, estão sendo seguidos.

    No dia 09 de julho – feriado – acontece o “Plantão de Vacinação” contra a COVID-19, no Ginásio Municipal de Esportes, das 08h às 16h.

     

  • Colina tem 56 pessoas em tratamento da COVID-19 - 06/07/2021


    Segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde, Colina tem 56 pessoas em tratamento da COVID-19, sendo que 47 estão em tratamento domiciliar e 9 internadas (1 na enfermaria, 8 na UTI em Barretos).

    Casos suspeitos são 64 sendo e todos estão em isolamento.

    Desde o começo da pandemia, Colina tem 1676 casos confirmados de COVID-19, com 52 óbitos.

    Os dados são de sexta-feira, dia 2, dia da última sexta-feira.

    Os número de novos casos na região da DRS V, sediada em Barretos e da qual Colina faz parte, apresenta queda de 52,7% nos últimos sete dias.

    A taxa de ocupação de leitos de UTI na região está em 89,6%. Nos últimos sete dias houve uma queda de 1% no número de novas internações.

     

  • Pavão resgatado por paciente do Hospital do Amor recebe prótese em Barretos - 29/06/2021


    "Somos uma parceria de amor". É assim que a funcionária pública Adriana Lopes define a relação com o pavão "Vini", resgatado por ela em Osvaldo Cruz (SP). Adriana, que trata um câncer em Barretos (SP), decidiu trazer o animal para a cidade em busca de atendimento após ele perder uma das patas.

    Após ser atacado por cães, o pavão foi encontrado machucado pela funcionária pública e precisou amputar a pata esquerda. Nas consultas iniciais com veterinários, Adriana recebeu a orientação para sacrificar o animal, mas decidiu buscar outras opiniões na cidade que a acolheu durante a batalha contra o câncer.

    "Não aceitamos esse destino [eutanásia] pra ele, porque ele é muito dócil, muito amoroso. Nós começamos, então, as pesquisas nas redes sociais. Foi então que nós encontramos a doutora Maria Ângela Panelli, daqui da cidade de Barretos e cá estamos", conta Adriana.

    A vontade de lutar pela vida não é novidade para Adriana. Há cerca de três anos, a funcionária pública foi diagnosticada com um tumor na perna esquerda e, desde então, acompanha a doença no Hospital do Amor, especializado no tratamento e prevenção de câncer.

    "Há aproximadamente três anos foi detectado um sarcoma de Ewing na minha perna esquerda. Foi feita a cirurgia, passei pela perda dos cabelos, enfim... todo o processo do tratamento, mas graças a Deus aqui estamos, eu e o Vini", diz.

    Na tarde desta segunda-feira (28), o pavão passou por uma cirurgia bem-sucedida para inserção de uma prótese na pata formada por um pino cirúrgico de titânio. Ainda que o animal tenha que passar mais dias internado, Adriana afirma estar ansiosa para levá-lo para casa.

    "Mesmo com uma pata, ele tem força de querer andar, de comer, de sobreviver e de viver, e eu também. Em nenhum momento eu desisti", afirma a funcionária pública.

     

  • Na TV, ministro pede uso consciente de energia e água e diz que país tem condições melhores que o racionamento de 2001 - 29/06/2021


    Em um pronunciamento no rádio e televisão na noite desta segunda-feira, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, pediu um uso “racional” de energia elétrica e minimizou a possibilidade de racionamento de energia, como o que ocorreu em 2001 .

    - Para aumentar nossa segurança energética, é fundamental que, além dos setores do comércio, de serviços da indústria, a sociedade brasileira, todo cidadão-consumidor, participar desse esforço, evitando desperdícios no consumo de energia elétrica, com isso, conseguiremos minimizar os impactos no dia a dia da população - disse o ministro.

    Albuquerque disse que o uso consciente reduzir o custo de energia:

    - O uso consciente e responsável de água e energia, reduzirá consideravelmente a pressão sobre o sistema elétrico, diminuindo também o custo da energia gerada - afirmou.

    O ministro disse que o Brasil enfrenta uma das piores secas de sua história e que a escassez de água que atinge as hidrelétricas - em especial, no Sudeste e no Centro-Oeste - é a maior dos últimos 91 anos.

    - Esse quadro provocou uma preocupação natural de muitos brasileiros com a possibilidade de racionamento de energia, como aconteceu em 2001 - admitiu o ministro.

    Albuquerque disse, porém, que o sistema elétrico brasileiro evoluiu muito nos últimos anos, como a interligação do sistema em escala nacional e a redução da dependência das hidrelétricas.

    A participação delas na matriz elétrica do país caiu de 85% para 61%, ele afirmou, com a expansão das usinas de fontes limpas e renováveis, como eólica, solar e biomassa, além de termelétricas a gás natural e nucleares.

    O ministro disse que, para enfrentar uma situação, o governo vem atuando em várias frentes, desde o ano passado.

    - Além de monitorar o setor elétrico 24 horas por dia, montamos uma estrutura de governança para coordenar, com rapidez e segurança, como ações dos vários órgãos envolvidos no enfrentamento do cenário atual de escassez hidroenergético - disse.

    Ele citou também diálogo com entidades da sociedade civil organizada, com os estados e instituições dos três poderes, para identificar as linhas de ação que melhor atendam aos interesses do país.

    - Foi por este motivo, igualmente, que encaminhamos ao Congresso Nacional, uma medida provisória cujo objetivo é fortalecer a governança do processo decisório neste momento de crise hídrica - disse.

    O ministro também contou que está negociando com a indústria um programa voluntário que incentiva as empresas a deslocarem o consumo dos horários de maior demanda de energia para os horários de menor demanda, “sem afetar a sua produção e o crescimento econômico do país”.

    - É com serenidade, portanto, que tranquilizamos a todos. Estamos certos de que, juntos, superaremos esse período desafiador e transitório - disse.

     

  • Estudo com vacina AstraZeneca em Botucatu indica queda de 71% de casos de Covid após vacinação em massa - 29/06/2021


    O estudo feito pela Unesp, em parceria com o Ministério da Saúde e a Prefeitura de Botucatu (SP), com a vacina AstraZeneca, a segunda mais usada no país contra a Covid, mostrou redução de 71% de casos da doença seis semanas após a vacinação em massa na cidade paulista.

    Segundo os pesquisadores, era esperada a redução de casos a partir da segunda quinzena de junho, situação confirmada pelos dados preliminares da pesquisa.

    Somente na última semana, fechada no sábado (26), essa média ficou em 40 casos por dia, contra 73 registros na semana anterior, uma queda de 45%. No acumulado entre a quinta e sexta semana após a vacinação em massa, quando começou a ser registrada a queda de casos, a redução foi de 71,3%.

    Um estudo similar, feito com a vacina CoronaVac, no município de Serrana (SP), também apresentou resultados positivos, com queda de 95% das mortes na cidade. Outra pesquisa realizada em Viana (ES) avalia a eficácia de meia dose da AstraZeneca.

    Segundo o médico infectologista e responsável pelo estudo em Botucatu, Carlos Fortaleza, a tendência é que, como a vacina ameniza os sintomas, a transmissibilidade fique menor. E a partir dessa queda na transmissibilidade também deve cair a taxa de internações, ou seja, do desenvolvimento de casos graves que precisam de hospitalização e, por consequência, a redução das mortes.

    "A nossa expectativa é que após três, quatro semanas após a vacinação, quando o nosso organismo começa a criar os anticorpos eficazes nas pessoas, haja uma redução significativa dos casos, isso deve ocorrer em meados de junho", previu Fortaleza.

    Pesquisadores que acompanham o estudo de efetividade da vacina veem essa queda pela segunda semana consecutiva já como reflexo da primeira dose da Oxford/AstraZeneca, mas o acompanhamento dos números pode reforçar essa relação. O uso de máscara e distanciamento devem continuar sendo respeitados. A segunda dose está prevista para agosto.

    Botucatu está em primeiro lugar no número de doses aplicadas no estado de São Paulo, segundo dados do Vacinômetro. Dos cerca de 148 mil habitantes, 120.405 receberam a primeira dose, cerca de 81% da população geral. A população adulta, porém, está basicamente toda vacinada, segundo a prefeitura.

    Na última quarta-feira (23), pela primeira vez desde o início da pandemia, o Hospital do Bairro, que tem dez leitos de emergência para pacientes com Covid-19, não registrou nenhuma internação. Já o Hospital das Clínicas segue com alta ocupação (105% até o último sábado), mas a unidade é referência e atende pacientes de 68 municípios da região.

    O estudo inédito de efetividade da vacina Oxford/AstraZeneca avalia também as cepas do coronavírus.

     

  • Com restrições, Barretos volta a abrir comércio, mercados, academias e restaurantes - 28/06/2021


    Após nove dias de confinamento contra a Covid-19, Barretos (SP) volta a liberar públicos em atividades em geral nesta segunda-feira (28).

    Segundo a Prefeitura, a flexibilização só foi possível porque houve uma redução de 70% nos atendimentos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade.

    As novas regras (veja abaixo) foram publicadas em edição extra do Diário Oficial do Município de domingo (27) e permitem atendimento presencial em mercados, comércio em geral, shopping, bares, restaurantes, igrejas e academias.

    No entanto, há restrições de 15% na capacidade e limitação nos horários. Há multa de até R$ 40 mil para quem for flagrado desrespeitando as regras.

    De acordo com o último boletim da Saúde, Barretos soma 17.016 casos de Covid-19 e 461 mortes desde o início da pandemia. Os hospitais estão com capacidade máxima em unidades de terapia intensiva (UTI) e enfermarias.

    Veja o que PODE funcionar em Barretos

    Serviços de saúde: hospitais, unidades básicas de saúde farmácias e drogarias;

    Clínicas de saúde: odontológica, laboratórios, óticas, saúde animal. É preciso agendar horário e é permitida a entrada de apenas uma pessoa por vez;

    Transporte público: 40% da capacidade total de cada veículo;

    Abastecimento de alimentos: supermercados, açougues, peixarias, quitandas, hortifrutigranjeiros. Limite de sete pessoas por caixa aberto. Entrada de um membro por família e funcionamento das 6h às 21h;

    Alimentação: bares, restaurantes, padarias, lojas de conveniência. Limite de 15% da capacidade, distância de quatro metros entre as mesas. Só podem estar quatro pessoas em cada mesa e o atendimento deve ser feito somente para clientes sentados. Delivery liberado por 24 horas e drive-thru até às 21h, assim como o atendimento presencial. Apresentações de música ao vivo e uso de pista de dança seguem sem autorização;

    Comércio em geral: atividade liberada até 20h, com 15% de capacidade.

    Shopping: funcionamento autorizado para 10 horas por dia até às 21h, com 15% de capacidade. Na praça de alimentação, liberada a presença de quatro pessoas por mesas. Nos cinemas, liberação das 11h às 19h, com 15% de capacidade.

    Salões de beleza e barbearias: atendimento liberado mediante agendamento, com 15% da capacidade. O serviço deve ser finalizado às 20h;

    Feiras livres: atividade permitida, exceto consumo local de alimentos;

    Serviços gerais: lavanderias, serviços de limpeza, manutenção, zeladoria, assistência técnica, bancas de jornas, call center;

    Escritórios em geral: fechamento às 20h e 15% de capacidade. Atendimento restrito a uma pessoa por vez para cada profissional;

    Veículos: locação, oficina e estacionamento. Autorização para trabalho de até 8 horas por dia, entre 6h e 20h. Limitação de 40% da capacidade;

    Academias: liberação das 6h às 21h, com 15% do público e um aluno a cada 25 metros. Campos e quadras de esportes seguem proibidos;

    Igrejas: cultos e missas liberados com 25% da capacidade. Atividades precisam terminar às 21h;

    Educação: aulas presenciais liberadas conforme normas do Plano São Paulo;

    Indústrias;

    Produção agropecuária;

    Segurança;

    Meios de comunicação social;

    Posto de combustível;

    Em Colina, o decreto com medidas mais restritivas segue até a próxima quarta-feira, dia 30. Na cidade não foi decretado lockdown.

     

  • Fundo Social de Colina está realizando a Campanha “Inverno Solidário 2021” - 28/06/2021


    A Prefeitura Municipal de Colina, por meio do Fundo Social de Solidariedade, está realizando Campanha “Inverno Solidário 2021”.

    Assim como no ano passado, em virtude da pandemia da COVID-19, é de fundamental importância que as doações sejam cobertores e agasalhos novos.

    As famílias colinenses que necessitam receber as doações devem cadastrar-se novamente. Os cadastros dos anos anteriores não serão válidos porque a montagem dos kits de roupas é bastante detalhada e os dados da família devem estar atualizados.

    O cadastramento está sendo efetuado na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, pelos telefones: (17) 3341-3933 e (17) 3341-1126. A entrega dos kits de roupas está acontecendo de maneira agendada, tomando todos os cuidados necessários.

    A Presidente do Fundo Social de Solidariedade, Profª. Liliana Jorge Drubi Taha pediu para que a população mantenha a solidariedade mesmo nesse período difícil de enfrentamento ao Coronavírus. “Ainda estamos vivendo em um cenário pandêmico, com pessoas que necessitam de auxílio. Acreditamos na sensibilidade para com o próximo e no engajamento às causas solidárias Vamos doar para quem mais precisa. O frio já começou e nosso objetivo é atender o maior número de pessoas”, concluiu.

    A Prefeitura de Colina orienta a todos p/ manterem o distanciamento social, usar máscaras e álcool em gel.